Era mesmo azar. A menos de uma semana para o confronto entre o Riscadinho Futebol Clube e os Soquetes de Alpercatas, futebolistas temíveis de além fronteiras, o guarda-redes do Riscadinho a dizer que não arriscava.

-Não arrisco e não arrisco – gritava ele, todo despenteado, numa grande crise de nervos. – Nem com rede de arame à minha frente, nem equipado de armadura de ferro, eu era capaz de jogar. Os tipos lá dos Alpercatas são terríveis no remate. Terríveis! Ora para apanhar com boladas que me magoem, não contem comigo. Contratem outro guarda-redes, já disse.

            Atirou definitivamente o boné para o meio do chão e foi-se embora. Era o fim de uma brilhante carreira de guarda-redes. Ia vender almofadas para a bancada.

             – Chamem o guarda-redes suplente, depressa – exigiu o treinador.

            Mas o guarda-redes suplente também não arriscava.

            A solução para este problema foi encontrada onde menos se esperava. Queres saber onde?

            Para saberes o resultado desta partida, consulta este maravilhoso livro, na biblioteca cá da escola.

Daniel Teibão 5ºD