Esta é a história que começa por contar que um rapaz, chamado Mosquito, vivia com o pai numa casinha; aquilo não era uma casinha, era um casebre! Ficava no alto das dunas onde o mar, na maré alta, não chegava mas o seu marulhar ouvia-se sempre de dia e de noite. O pai do Mosquito era um homem de poucas falas, um tanto macambúzio. Ele tinha um barquinho de pesca com que saía de manhã cedo para o alto mar, voltando só ao pôr-do-sol, por vezes com o barco carregado e outras vezes com pouco peixe. Um dia, numa medonha tempestade, o mar embravecido virou-lhe o barquinho, arrastou-o consigo e despedaçou-o. O pai dele felizmente salvou a sua a sua vida, mas o barquinho não.

    O azar foi que tinha dinheiro para comprar outro. Um dia, quando Mosquito estava, foi lá ter. Na mala que levava tinha várias coisas como um barquinho azul que custava quatrocentos escudos. Uma verdadeira pechincha. Mas havia um problema, o pai do Mosquito só tinha uma única nota de cinco mil escudos…

    Agora, se quiseres saber o resto da história, requisita o livro na biblioteca da escola.

Maria Inês, 5ºB