Uma família de ratos resolveu fazer uma viagem até uma Ilha Tropical. Conseguiram um piloto de avionetas, marado, que aceitou em levá-los para a tal Ilha. Mas aconteceu um imprevisto, em vez de chegarem à Ilha Tropical naufragaram na Ilha de Toc Flop. Passo a escrever um pequeno excerto do livro para vos afiar o apetite.

   “Nessa noite, Bambolão e eu fomos buscar água à pequena Cascata, por trás do nosso acampamento. A luz da lua, a areia em volta da cascata resplandecia como por magia… Apanhei uma mão cheia de areia e verifiquei que se tratava de cristais de quartzo.

  Estávamos para regressar, quando ouvimos vozes… Curiosos, espreitamos por cima dos rochedos e vimos um escaler em muito mau estado que se aproximava da praia.

 À luz do luar, distingui dois senhores, ou melhor dois roedores a atirar para o estranho. O primeiro era pequeno e magricela…, com duas lentes de óculos pretas juntas por um penso rápido. O segundo era alto, gordo, com um fato de banho e uma máscara de mergulho rachada.

  – Não podemos dizer a ninguém que encontramos o mapa de um tesouro, não é capitão?

   – Mas, acima de tudo, não podemos dizer que o tesouro está escondido debaixo de um rochedo com forma de um canhão, não é, capitão?” (pp. 66-67)

Se quiserem saber o resto da história,  leiam a obra. Acreditem que é muito divertida!

João Ricardo, 6º C