Este livro de Maria Teresa Maia Gonzalez fala-nos de uma rapariga chamada Ana. Os pais de Ana estão separados e ela vive com o seu pai, a sua madrasta (que detesta) e com a sua irmã Pipa.

    Quando era pequena e Pipa ainda não tinha nascido, Ana sofria todos os dias ao ver a mãe estendida no chão com uma garrafa de whisky e começava a chorar muito infeliz. Ana era quem educava a irmã e achava que a sua mãe era uma incompetente.

    Os dias foram passando e, um dia, Ana foi ao escritório do pai e ele disse-lhe que a sua mãe queria a custódia da filha Pipa, que já estava melhor e que já não bebia. A Ana, como tinha um amor pela irmã que ninguém imagina, desatou a chorar.

    Passaram alguns dias e algumas noites e, um fim de semana, Ana acordou e não viu a irmã em casa. Foi perguntar ao pai e ele disse-lhe que a sua irmã tinha ido passar o fim de semana com a mãe. A Ana passa-se e foge de casa.

    Acho que deviam ler este livro porque é realmente espantoso e emocionante.

    Joana Ribeiro, 6ºC