Este livro fala-nos de um rapaz cujo nome é Pedro, com 15 anos de idade. Pedro tinha “uns olhos do outro mundo”. Pedro vivia com a mãe, Mara, com o seu irmão, Marcos e o padrasto, Martins. Martins estava desempregado, Pedro e Marcos tratavam-no por “inútil”.

   Vítor, pai de Pedro e Marcos, estava preso, como tal, Pedro sentia-se revoltado por estar a viver uma pessoa que estava a substituir o seu pai; quando soube que a sua mãe esperava um filho do “inútil”, Pedro ficou ainda mais revoltado.

   Na escola ele tinha uma grande amiga chamada Susana, tinha esperança de ser o seu amor correspondido.

   Pedro gostava do pai, apesar de estar preso pensava ajudá-lo quando saísse da prisão. Ele todas as semanas fazia uma visita ao pai na prisão e pedia ao irmão Marcos para ir com ele, mas este recusou sempre. Entretanto, seu pai saiu da prisão e descobriu que era portador de tuberculose. Vítor teve de ficar internado e foi quando Pedro soube do acontecimento.

   Passaram-se três meses, quando Pedro voltou a visitar o pai ao hospital. Foi pela milésima vez que perguntou ao seu irmão Marcos se queria ir ver o pai, o qual estava a ficar melhor. Marcos encheu-se de coragem e disse que sim.

   No hospital quando chegaram perto do pai, este ficou radiante ao ver o seu filho Marcos. Vítor melhorou da doença e com a ajuda dos filhos e de amigos conseguiu arranjar emprego e casa.

   Ao lerem este livro vão descobrir a força de um jovem que nunca deixou de acreditar no seu pai.

     José Braz