9789897110023       Esta história fala-nos de um pescador chamado Kino que vivia com a sua família, a sua mulher Juana e o seu filho Coyotito, numa cabana próximo da praia. Era uma família pobre, humilde e feliz que vivia em paz. Toda a rotina diária era acompanhada do som da “canção da família” que soava a calma e tranquilidade.

         Um dia, Coyotito foi picado por um escorpião e ficou doente. A mãe muito preocupada sugou logo o veneno, mas a criança continuou a chorar e a gemer. Kino e Juana decidiram chamar o médico, mas ele não compareceu, então, eles foram  ter com ele. Chegaram à casa do médico, mas este não os recebeu porque sabia que eles não tinham dinheiro para pagar a consulta. Kino e Juana tinham de arranjar dinheiro para salvar a vida do seu filho. Kino e a sua família dirigiram-se até ao rio perto da cidade, pegaram na sua canoa, que herdara do seu pai e foram para meio do rio. Kino atirou-se à água fria à procura de pérolas. Encontrou uma ostra gigante e dentro tinha uma grande pérola brilhante e reluzente. Kino, felicíssimo, pensou que, finalmente, poderia realizar todos os seus sonhos.

     As novidades chegaram logo à cidade, e diziam que Kino tinha encontrado a maior pérola do mundo. O médico interesseiro, mal soube da notícia, quis logo salvar o menino e foi ter com eles à cabana para curar Coyotito. Deu-lhe uns remédios e a criança após uns dias ficou completamente curada. Logo de seguida perguntou pelo dinheiro e Kino disse-lhe que quando vendesse a pérola pagar-lhe-ia. Nesse mesmo dia à noite, tentaram assaltar a cabana e Juana propôs que destruíssem a pérola, mas Kino decidiu vendê-la.

              No dia seguinte, Kino, Juana e Coyotito foram à cidade. Lá encontraram vários compradores de pérolas e escolheram um. Um homem gordo e lento atendeu-os e avaliou a pérola. Este disse que não era uma pérola verdadeira porque era muito grande e desajeitada. Chamou os outros compradores para verem se era uma pérola verdadeira e todos disseram que não. O comprador dava mil pesos por ela, mas Kino não aceitou, logo depois ofereceu mil e quinhentos pesos e Kino, obstinado, voltou a rejeitar, pois pretendia muito mais.

              Regressaram à sua cabana e Kino voltou a ser atacado. E uns dias após, durante a noite, voltam a revistar e a atacar Kino e este, para se defender, acaba por matar um homem. Kino “ouvia na sua cabeça a música tenebrosa do inimigo”. De madrugada chamas altas irromperam e destruíram tanto a cabana de Kino como a dos vizinhos. Kino e a sua família realojaram-se na cabana do seu irmão mais velho, Juan Tomás. Aí protegeu-se durante uma noite e, após ter contado ao seu irmão e cunhada o que se passara, decide fugir com a sua família, pois estava a ser procurado por um grupo de homens. Então, com medo, foge para as montanhas para se esconder e proteger. Mais tarde três homens, dois a pé e um a cavalo, seguem-nos.

      Será que os três homens vão encontrar e matar Kino e/ou a sua família? Ou acontecerá o contrário? Se vos despertou interesse e quiserem saber mais, leiam este fantástico livro!!

  Filipa Jorge Ferreira