00000142801   Este livro conta-nos a história de um menino órfão que se chamava James e que foi viver com duas tias muito más, egoístas, preguiçosas e cruéis que começaram a maltratar o sobrinho fazendo dele escravo, obrigando-o a efetuar todas as tarefas domésticas, e impediam-no de sair de casa e de conviver com outras crianças. James sentia-se um menino infeliz e triste. Desejava voltar a ver o mar e brincar com outras crianças, vivendo a vida que tinha quando os seus pais eram vivos.

   Certo dia, estava James no quintal a chorar, quando, de repente, lhe surge de frente um senhor de idade, que lhe deu palavras de conforto e um saquinho que continha pequenas pedrinhas que pareciam cristais de cor verde. O senhor pediu a James que as colocasse num jarro com água e que depois bebesse essa água, porque os cristais verdes eram mágicos, e a partir desse momento iriam acontecer-lhe coisas maravilhosas e nunca mais seria infeliz.

   James, embora um pouco incrédulo, desatou a correr para casa para fazer o que o senhor lhe tinha dito, mas, no meio do caminho, escorregou-lhe das mãos o saco e os pequenos cristais espalharam-se no chão, junto de uma árvore de pessegueiro já seca e sem vida, e desapareceram.

   Ele regressa a casa desolado e triste, sendo que as suas duas tias o puseram logo a trabalhar nas lides domésticas. No dia seguinte, as duas tias vão ao quintal e reparam que, no velho e seco pessegueiro, se encontrava a nascer um pêssego. Logo chamaram James para que pegasse numa escada e fosse buscar o pêssego para as duas o comerem. Mas, de repente o pêssego começa a crescer, crescer até que atingiu o tamanho de uma abóbora gigante fazendo o tronco da árvore partir e o pêssego ficou no chão, e continuava a crescer. As tias malvadas logo pensaram fazer dinheiro com aquele acontecimento do seu quintal, e então, a todos quanto quisessem ver e tocar no pêssego, passaram a cobrar a entrada para o seu quintal. E, para que James não atrapalhasse no negócio, trancaram-no no quarto, esquecendo-se dele.

   Os dias foram passando e o pêssego já tinha atingido o tamanho de uma casa, e James queria também poder tocar- lhe e ver o que mais poderia acontecer porque foi ali que os pequenos cristais desapareceram na terra e nasceu aquele pêssego gigante. Então, conseguiu fugir do quarto de noite e aproximou-se, a medo, do pêssego. Ele olhou para o gigantesco pêssego e parecia um fruto normal, à exceção do seu tamanho. Contornou-o, e reparou existir um buraquinho que lhe pareceu um pequeno túnel. Aventureiro, James entrou nesse túnel que foi dar ao caroço do fruto e, ali, existia uma porta.

   O quê ou quem, estará por detrás daquela porta? Conseguirá James enfrentar as tias malvadas depois de ter entrado no interior do pêssego? Não percas as aventuras que James viverá neste livro muito divertido!

Afonso Marques Ribeiro